Sobre o Pilates na Gestação

Atualmente sabemos que praticar uma atividade física durante a gestação não é apenas recomendado para uma gravidez tranquila e saudável, como de extrema importância para a redução de edema e dores nas costas, controle do peso, dentre outros inúmeros benefícios.

O Método Pilates é uma modalidade que vem sendo cada vez mais procurada nesta fase por ser uma atividade física de baixo impacto, combinado a um trabalho individualizado que respeita os limites e disposição da gestante a cada dia que ela chega para a aula.

Uma dúvida muito frequente: quando se deve começar a praticar o pilates? Pois bem, assim como qualquer atividade física, se você já praticava antes da gestação e não tem nenhuma restrição médica, pode continuar de forma mais leve. Caso você não pratique nenhuma atividade física e esteja pensando em iniciar, o ideal é esperar completar o primeiro trimestre ou de acordo com a liberação do seu médico obstetra.

POR QUE ESCOLHER O MÉTODO PILATES?

Podemos começar citando a característica mais evidente dos Studios de Pilates: suas aulas são de baixo impacto, com um número reduzido de alunos por horário e respeitam as particularidades de cada aluno, afinal, principalmente quando se trata de gestantes, haverá dias em que as dores e o aumento de peso normais durante a gestação incomodarão mais e a disposição para praticar uma atividade física diminui.

Depois vamos para os objetivos que o método apresenta para este período e que garantem um trabalho completo para o corpo:

  • Alongar a musculatura encurtada e reduzir as dores, principalmente lombares;
  • Mobilizar a coluna promovendo um relaxamento;
  • Fortalecer o corpo como um todo, com atenção especial às panturrilhas para reduzir edema em pernas;
  • Fortalecer o Powerhouse / Core que são os músculos estabilizadores do tronco (abdome, assoalho pélvico, diafragma, músculos da coluna e, mais superficiais, glúteos e adutores). Esta musculatura será exigida ao longo da gestação para carregar o bebê por aproximadamente 40 semanas e também durante o trabalho de parto.
  • Evitar a incontinência urinária ou os famosos escapes de urina, através do fortalecimento do assoalho pélvico (independente do parto escolhido ser normal ou cesárea).

OUTROS BENEFÍCIOS DO MÉTODO

Outras vantagens que podemos garantir com o passar do tempo de prática do pilates são:

  • Boa postura;
  • Melhora da qualidade do sono e aumentar a energia diária;
  • Facilitação do parto normal para quem deseja tentar este tipo de parto;
  • Maior agilidade e controle do peso;
  • Melhora da circulação sanguínea e consequente melhor oxigenação do bebê;
  • Relaxamento;
  • Socialização com outras gestantes compartilhando experiências e sensações;
  • Redução do Cortisol – hormônio que aumenta quando estamos estressados e cansados;
  • Redução do edema / inchaço.

CONTRA-INDICAÇÕES / CUIDADOS NA GESTAÇÃO

O Pilates não apresenta uma contraindicação específica para a gestação, nós temos as mesmas restrições de qualquer modalidade de atividade física quando há pressão alta, diabetes, contrações, sangramentos etc, então nestes casos só pode ser praticado com liberação médica.

Quando a gestante não apresenta nenhum destes quadros, o importante é escolher com cuidado o studio que irá praticar o pilates para que este esteja preparado e tenha conhecimento das alterações deste momento. Por exemplo: são necessárias orientações quanto à respiração para que a aluna não segure ou tranque durante os exercícios.

É sempre importante evitar sobrecargas nas articulações a fim de não gerar inflamação e dor. Acima de todos, o cuidado mais importante é o com exercícios de instabilidade, suspensão e invertidas, pois neste período existe um hormônio agindo nas articulações chamado Relaxina que causa um amolecimento dos ligamentos, é normal e será necessário para o trabalho de parto, mas antes disto precisamos ser cautelosos com possíveis desequilíbrios.

PÓS-PARTO

O Pilates tem benefícios tanto durante a gestação como após o parto para quem logo consegue voltar a praticar. Ele ajuda o corpo a voltar ao normal, afinal foram 9 meses de alterações posturais, de centro de gravidade, de modificações internas em relação à posição dos órgãos e hormonais que desestabilizam ligamentos e articulações

Para quem teve parto normal, o assoalho pélvico necessita se recuperar e fortalecer da lesão que sofreu pela passagem do bebê. Para o pós cesárea, a musculatura de abdome também precisa se recuperar igualmente. Além disso, o fortalecimento de braços e coluna é sempre bem-vindo para melhorar a postura e segurar o bebê sem dores nas costas.

Uma dúvida muito frequente: quando posso voltar para o pilates? Geralmente em torno de 30 dias após parto normal e 45 dias após cesariana, mas quem vai precisar exatamente cada caso será o médico que está fazendo o acompanhamento.

Agora que você já sabe na teoria toda a diferença na qualidade da sua gestação que este método pode te trazer, que tal agendar sua aula experimental para conferir?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *